Snowshoeing, raquete ou simplesmente andar na neve


Tive uma péssima experiência esquiando em 2007 que resultou em ligamentos rompidos, uma cirurgia de joelho e seis longos meses de fisioterapia intensiva. Depois disso, nas poucas vezes que ousei subi em um par de esquis, entrei em pânico. Compreensível.

O pior é que amei esquiar. A sensação de estar livre na natureza, de ver o contraste das cores fortes e o brilho da neve me fascinam. Sou enlouquecida pelo silêncio das montanhas. Acho um desperdício morar na Suíça, distante 30 minutos dos Alpes, e ficar trancada em casa no inverno. Me recuso.

Descobri finalmente minha maneira de desfrutar do inverno sem entrar em pânico: snowshoes, ou as famosas raquetes.

Bastante simples, as raquetes podem ser compradas ou alugadas aqui na Suíça com bastante facilidade. Não são caras e são encontradas em qualquer loja de esportes. Uso com elas um bastão de hiking, que garante meu equilíbrio e me dá segurança em terrenos muito acidentados. E só! Roupas de esqui para manter o corpo quente e seco, botas impermeáveis, as mesmas que uso para fazer hikings no verão, luvas, gorro e muita água. Simples não?

Geralmente feitas com um plástico duro colorido, as raquetes se adaptam ao sapato, permitindo andar na neve sem escorregar e nem afundar.

O exercício pode ser leve e contemplativo ou bastante intenso. Tudo depende da rota escolhida, da quantidade de neve no chão e da própria vontade. Mais maleável impossível!

Com neve fofa o exercício pode se tornar bastante intenso, comparável a andar em uma praia com muita areia fininha e seca. Cansa. Mas queima calorias de chocolates e fondues milagrosamente!

O segredo é soltar a raquete do tornozelo , através de um gancho que existe para impedir a articulação. Quando solta, a raquete permite que o pé faça o mesmo movimento natural de quando se anda. Mais simples impossível. Só que, pelo tamanho do equipamento, a passada tem que ser mais larga... no início a gente se sente andando de pernas abertas mas logo logo se acostuma e pega o ritmo. É engraçado, divertido!

Qualquer lugar com neve é local para ser explorado com snowshoes. Existem porém trilhas demarcadas para raquetes em vários locais na Suíça, a maioria gratuitas. Dependendo do local escolhido a neve pode estar um pouco socada,compactada, o que facilita para aprender a andar. As fofas dão mais trabalho, mas acho mais bonitas!

Geralmente as trilhas de snowshoe são as mesmas, ou muito próximas, de trilhas para ski de fond, ou cross country ski. Não raro cruzamos com eles. Por cortesia, respeitamos os trilhos, evitando pisadas.

Os lugares para se caminhar nas montanhas são normalmente lindos, entre montanhas altas e desbundantes. A Suíça nevada é encantadora. Não dá para cansar da paisagem!

Mas o que eu adoro mesmo é ver a criançada andando de trenós e brincando na neve enlouquecidas. Como os equipamentos são simples, leves e baratos, um simples plástico duro vira um topogã e faz a festa da criançada.

Os pobres pais puxam eles para cima e para baixo: “Mais uma vez”, ”De novo”, ”Mais rápido, papai”. Uma folia. Tem pai que se diverte mais que as crianças. Aposto que caem mortos a noite, pais e filhos!

Por ser um programa fácil, simples e acessível, as montanhas lotam nos finais de semana de famílias, crianças, casais e até cachorros. Uma delícia.

Para mim o que eu adoro é que é um programa que custa praticamente nada, não requer equipamentos complexos, não precisa de reserva antecipada, tem perigo quase nulo, oferece emoção é faz com que eu me divirta como criança! É para lá que fui domingo passado, e não vejo a hora de voltar neste sábado! Adoro e recomendo!