Viver na Suíça é...

... Esquecer manicures

Quem cozinha, lava roupas e arruma uma casa inteira sabe que o trabalho de manicure dura horas, não mais dias! E aqui é assim, a gente rala! Rala mesmo...

Além de manicure custar uma fortuna, a maioria delas fazem aquelas unhas de gel, que parecem artificial. Eu não gosto. Eu corro delas.

Desisti de fazer as unhas da mão faz um bom tempo aliás, me orgulho de dizer que nunca fui a uma manicure por aqui. Lixo, corto curtinho e tento esquecer que sou brasileira! As dos pés eu mesma faço, demora mas até que me viro bem. Um bom esmalte por aqui vale o investimento!

Mas é claro, para não ser recriminada, quando chego no Brasil, desembarco e corro para o cabeleireiro!

... Morar dentro de um cartão postal

Faz tempo, eu sei, mas naquele tempo que a gente recebia brindes no final do ano, eu ganhava os calendários de parede da Syngenta, a empresa Suíça. Todo final de mês eu ficava animada, imaginando a foto que o mês seguinte traria.

Morar por aqui é assim. É viver dentro de um calendário de paredes, de um mostruário de cartão postal. É tudo lindo, harmônico. As vezes acho até cafona de tão bonito!

E eu brigo para não me acostumar e jamais esquecer porque estou aqui. Faço mais WOWs que qualquer turista!

... Viver rodeada de montanhas e lagos

Que a Suíça é pequena, todo mundo sabe. Ela diminui ainda mais se imaginarmos que quase 70% da sua área é montanhosa. E tem ainda 1300 lagos espalhados, inclusive o maior da Europa fica por aqui. Tudo isso para dizer que por onde se olha na Suíça, sempre se encontram montanhas e lagos. E é lindo de se ver.

Eu não perco uma janela de trem. Adoro.

E melhor ainda, eles fazem parte da vida do Suíço, que anda nos 66 mil kms de trilhas demarcadas, explora suas inúmeras estações de esqui, circula pelos trens panorâmicos, bebe de suas águas frescas e potáveis e se bronzea em suas praias.

Sim, o Suíço chama as margens dos lagos de praia. Deixa eles... vivem em um país sem mar mas, mesmo assim, lindíssimo!

... Ser tentada diariamente

Queijos, vinhos e chocolates fazem parte da cultura e da gastronomia local.

O vinho suíço é praticamente tomado só pelos suíços, somente 1% da produção é exportada.

O chocolate, dizem as más línguas, tem especificações específicas para o mercado interno. Não é igual ao que se compra no free shop ou nos outros países. Tem que experimentar para comprovar!

E os queijos... sabe aquelas vacas gordas das folhinhas? Pois é, o leite vem delas... preciso mesmo explicar?

A tentação aqui é constante. Uma ida ao supermercado, uma andada nas ruas, cruzar com uma loja de queijos. E o pior, degustar um vinho dividindo a mesa com seu produtor.

Pensando bem, ainda bem que tem as montanhas, porque é duro perder quilos por aqui.

... Pagar impostos e perceber o benefício

O percentual do imposto que eu pago aqui é praticamente o mesmo que eu era descontada na fonte em São Paulo. Adicional, aqui tem o imposto sobre a fortuna, que aumenta em função do seu patrimônio.

Mas a gente percebe que o imposto é bem gerenciado nos pequenos detalhes: nas ruas limpas, no transporte público eficiente, nas estradas impecáveis, na segurança, nos programas sociais, no auxílio ao desemprego.

E a seriedade com a qual as questões públicas são discutidas, é impressionante. A população se posiciona através do voto, sobre tudo e sobre os investimento. Quem se omitir na discussão simplesmente não pode reclamar.

Quando na vida que eu pensei que gostaria de pagar impostos? Pois é...

... Morar no coração da Europa

Um pulinho e a gente vai para todos os lados.

A Suíça tem fronteiras com 5 países e é ligada com a Europa por trens eficientes e precisos e por estradas generosamente bem construídas. Com três grandes aeroportos internacionais, e atendida por muitas companhias aéreas de baixo custo, é possível voar para todos os cantos do mundo daqui.

Se entediou? Arruma as malas e some! Simples assim!

... Esquecer do medo

É muito bom poder andar sem medo!

Carrego minha bolsa para todos os lados, uso joias, visto meus relógios. Tudo numa boa. Sem preocupações!

Circulo com minha Vespa e sou respeitada no trânsito. Abro os vidros do carro no verão, ou vou a pé. Ando pra cima e para baixo sem receio algum. Uso transporte público. Não estou nem ai.

Circulo em bosques e montanhas fechadas, perfeitas emboscadas para alguém mal intencionado. Sempre saio ilesa. Nem lembro do potencial perigo.

É bom não ter mais medo! Muito bom!

... Ser dona do seu tempo

Escrevendo agora olho para o relógio. Lembro que tenho que me arrumar, ir ao supermercado, deixar umas cartas no correio, fazer os 30 minutos de exercício que minha nova dieta exige e estar no horário na fisioterapia, que começa em 1 hora e meia. Neva lá fora.

Mesmo assim, resolvo continuar a escrever.

Aqui não tem trânsito, tudo funciona como programado. As pessoas não atrasam, respeitam seus horários.

Em 15 minutos é possível fazer tanta coisa, imagine em uma hora e meia!

O tempo realmente rende na terra dos relógios!

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now