Relógio Suíço


foto by: paqueraseducao.com.br

Sapatos e relógios são as expressões masculinas de qualidade e bom gosto. Algumas mulheres até se enfeitando com cacarecos ficam chiques. Mas eles não. Se empetecados, ficam medonhos. E com produtos de má qualidade, ficam vulgares, baratos. Acho que vem daí a fascinação masculina pelos relógios.

A Suíça é a meca dos relógios, por dois motivos básicos, o primeiro é que as marcas tradicionais e de qualidade se desenvolveram por aqui. O segundo é que a segurança do país permite que se vista as melhores marcas no dia a dia. Uma delícia sair com seu relógio caríssimo e não sentir-se vulnerável!

E como tudo começou?

No século XIV, quando começaram a medir o tempo, a indústria de relógios Suíça estava bastante atrasada em relação a outros países. Genebra tinha uma grande tradição na indústria de joias, mas não relógios.

No século XVI Calvin, o líder da reforma protestante Calvinista, instalou-se em Genebra. Rigoroso, proibiu qualquer forma de ostentação. Nem preciso dizer que todo o mercado de joias foi para o buraco. Criativos, e tentando sobreviver, os joalheiros se aventuraram então na indústria de relógios. Novas técnicas e novas formas de relógios foram desenvolvidos na região e daqui exportados para colônias americanas e oriente.

Inicialmente em Genebra, a indústria relojoalheira logo se expandiu para outros cantões, desenvolvendo novos produtos como relógio de bolso e relógio de pêndulo.

Foi no século XIX que a indústria Suíça de relógios realmente se solidificou e passou pela primeira vez a produção inglesa, conquistando o status de maiores produtores de relógios do mundo.

Na segunda metade do século XIX a soberania suíça começou a enfrentar a concorrência americana, que começou a produção de relógios em massa. Bastante afetados, os relojoeiros suíços se organizaram e reagiram, colocando no mercado produtos de precisão imbatível.

Foi no século XX que novos componentes como calendários e cronômetros foram inseridos nos relógios. Há quase 100 anos atrás, em 1920, a Rolex lançou o primeiro relógio a prova de água. Seis anos depois, foi introduzido no mercado o primeiro relógio automático. Todas novidades Suíças.

Inovação, precisão e qualidade fizeram com que a indústria relojoeira suíça permanecesse por anos no primeiro lugar do mercado de relógios.

O relógio de Quartzo foi lançado na Suíça em 1967, mas foi um tiro no pé, pois foi muito mais explorado pela indústria japonesa e americana que a suíça, que continuou focada no relógio mecânico, sua grande fortaleza e paixão. Perderam então um espaço importante na indústria.

Mas em 1983 uma nova tendência surgiu, trazendo a Suíça novamente à liderança do mercado de relógios. Foi lançado o Swatch, relógio de quartzo, baixo custo, alta precisão e um apelo inquestionável como acessório de moda.

O Swatch foi então copiado pelos quatro cantos do mundo. Conseguiu salvar a indústria Suíça e trouxe a prosperidade a este mercado tão tradicional, tornando a relojoaria um dos ramos econômicos mais prósperos do país.

Hoje 90% da produção dos relógios suíços está concentrada no Vale do Jura, conhecido como Watch Valley. Lá estão os mais tradicionais produtores.

É uma delícia passear na região linda do Jura. Entre montanhas e vales despontam prédios tradicionais estampando as marcas que só vemos em revistas de altíssimo luxo ou joalherias caríssimas.

Eu sempre fico sonhando com os produtos únicos e tradicionais que suas fábricas produzem.

Além das fábricas, no Jura encontram-se museus interessantíssimos para os apaixonados por relógios. Alguns, com interação tecnológica, permitem até mesmo que você desenhe seu próprio. Outros, tradicionais, mostram objetos raríssimos da indústria conduzindo você a história deste produto fascinante.

E um bom relógio, quem conhece, enxerga de longe. Não tem como enganar!