Corrente de gentilezas

Quando precisava de ajuda no Brasil, pedia para minha mãe e para minhas irmãs. Era infalível. Todo mundo lá em casa aprendeu a ser descolado então, a gente nunca se apertava e acabava sabendo resolver tudo, além de se ajudar.

Aqui na Suíça, onde uma a cada quatro pessoas é estrangeira, a situação é diferente. A gente conta com os amigos, que certamente assumem um papel ainda mais importante nas nossas vidas. E nos ajudamos, como não poderia deixar de ser.

Uma vez uma amiga querida deu uma festa grande e viajou no dia seguinte. Me ligou antes de ir embora oferecendo as flores que tinha em sua casa, ela sabia que eu faria um jantar em casa em dois dias. Minha mesa ficou linda, toda decorada com flores de segunda mão.

Retribui a gentileza uma vez que viajei dois dias após uma festa que fiz em casa. Como recebi milhões de flores, distribui entre amigos. Uma amiga passou aqui para pega-las e acabou me oferecendo uma carona até a estação de trem de Morges, de onde eu iria para o aeroporto.

Semana passada, descendo da minha vespa, lasquei a camurça de uma sandália que tenho super confortável. Já estava quase pegando uma caneta para dar uma pintada e disfarçar o estrago mas ai pensei bem e resolvi levar o sapato em uma sapataria, evitando a porquice.

Então uma amiga ligou me convidando para almoçar. Eu agradeci e disse que estava enrolada. Ela disse que viajaria a tarde. Ofereci então de leva-la a estação de trem de Morges, onde eu teria que ir arrumar a tal sandália. Ofereci carona, que ela aceitou condicionada a minha aceitação para o almoço.

Deliciosa fritada de legumes com salada, um copo de um bom Borgonha gelado e uma conversa interessante. De lá, deixei-a na estação.

Não conhecia mas uma outra amiga indicou o “Talons Minute”, um tipo faz tudo na hora, de sapato, chaves até sei lá o que. Aqui na Suíça tudo leva tempo então pensei que seria um achado.

Cheguei lá, encontrei uma loja meio bagunçada. Fui atendida por um senhor simpático. Mostrei o calçado e disse que achava que era só colocar uma cola. Ele virou-se de costas para mim, apoiou a sandália na bancada e fez algo. Desvirou-se com ela nas mãos já consertada. Não durou nem 1 minuto.

Surpresa com a rapidez, perguntei quanto eu devia. Ele bem humorado e com um grande sorriso nos lábios disse que duzendo francos. Automaticamente fui pegar minha carteira mas ai processei e parei. Ele riu e disse que não era nada. Agradeci, brinquei que era realmente “minute”, e fui embora.

Fiquei com aquele sorriso na minha cabeça. Gosto de gente bem humorada e gentil. Muda o nosso dia encontrar pessoas assim. Aqui na Suíça as pessoas são mais sisudas, sérias e formais, neste quisito nós brasileiros damos um show.

Passei então no supermercado e comprei uma caixa de chocolates “Merci”, obrigado em francês. Na estante o preço mostrava CHF 4.75. No caixa me foi cobrado CHF 4.50. Alertei o caixa, que confirmou o preço através do código de barra.

Entrei novamente naquela loja cheia de informações. Ele veio na minha direção me atender. Entreguei a caixa de chocolates. Ele ficou fascinado. Pegou minha mão com suas duas mãos e a beijou carinhosamente, como um avô beijaria a mão de um neto. Sorriu de novo, desta vez acho que emocionado e me disse milhões de “Mercis”, que eu dizia de volta para ele.

E eu fui embora para casa, bastante feliz.

Um almoço delicioso de última hora, uma carona, conserto da sandália resolvido sem perrengue, desconto no chocolate, um senhor gentil e muita felicidade. Voltei para casa convencida que tudo fazia parte da “corrente de gentilezas”. Uma coisa desencadeia a outra e o dia passa deliciosamente bem vivido.

Talon Minute, recomendo com certeza. Gentilezas, surpreendentemente bom praticar.

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now