É chique morar na Suíça?


Quando digo que moro na Europa muitas vezes escuto “Que chique!”. Se falo que é na Suíça então, arranco logo um “Chiquérrima!”.

É engraçado como existe uma fantasia de que a vida aqui é mais glamorosa, que as pessoas são mais chiques, educadas e que a badalação corre solta. Tudo mentira!

O que existe é uma praticidade imensa por aqui. As suíças estão muito mais para confortáveis que para chiques.

Eu tive que aposentar meus Sarah Chofakians pois eles são feitos para desfilar, não para andar. Aqui eu ando, ando mesmo, no sentido real da palavra. Gasto sola de sapatos. Não existem manobristas, nada de Valet Parking e simplesmente não existem vagas de carros nas pequenas cidades medievais. Para piorar, bebida e carro não funcionam juntos e o taxi custa o olho da cara. Saio a pé, vou de trem, de ônibus... os Chofakians ficam na sapateira, com uma esperança secreta de serem convidados para festas aqui por perto.

Vendo fotografias desbundantes postadas no facebook ninguém imagina que aqui todo mundo limpa seu próprio banheiro, lava suas roupas, cozinha suas refeições, passa pilhas de camisas. Empregada doméstica custa caro, cobram por hora. Só dão um tapa na casa, nada como aquela faxina que somos acostumados. Aquela faxina de virar a alma, faço eu, se tiver a fim!

Além das tarefas domésticas, faça chuva ou faça sol, no verão ou em temperaturas abaixo de zero, descemos do conforto do carro para encher o tanque e calibrar os pneus. O lixo, levamos até a lixeira, ninguém passa por aqui recolhendo. Os reciclados vão até a central de reciclagem. A gente rala carregando coisas para cima e para baixo.

Unhas longas, feitas semanalmente por manicures? Nada disso. Corto curtinho, lixo e não pinto. Descobri que esmaltes invariavelmente perdem a briga com os produtos de limpeza.

Me arrumava muito mais em São Paulo, andava de saltos altos, me maquiava direto, estava sempre combinando e comprando, consumindo. Em materia de elegância, acho que eu era muito mais chique naquele tempo.Porém, curiosamente as pessoas dizem que me enxergam mais feliz agora, mais radiante, mesmo estando dez anos mais velha e usando muito menos maquiagem, comprando menos roupas, consumindo muito menos.

Para mim programa delicioso é fazer um jantar gostoso, temperado com ervas do jardim, abrir o melhor vinho da adega, usar flores, também do jardim, para dar uma toque na mesa caprichada. E curtir tudo isso com calma, segurança e prazer. Sei que depois de aproveitar cada minuto, cada sabor, cada tempero, existe uma cozinha para ser arrumada, limpa e organizada. Faz parte do pacote.

Mudar para a Europa é provavelmente uma oportunidade única de aprender sobre culturas, desfrutar de segurança, desenvolver novos talentos, rever conceitos e preconceitos e principalmente aposentar algumas frescuras.

Isso é chique? Talvez chique seja poder escolher o que se quer fazer da vida.