É com você. Escolha, colha e pague.


Que a Suíça é segura, a gente sabe.

Que as coisas funcionam por aqui, também já sabemos.

Que o povo é educado e respeitador, novidade nenhuma.

O bom é que, apesar dos meus dez anos por aqui, ainda me surpreendo com algumas coisas.

Berna é a capital da Suíça, um país pequeno mas bem complexo. Localizado no coração da Europa, tem quatro línguas oficiais, é uma Confederação, ou seja, seus cantões são independentes para um monte de decisões e para piorar, é uma das maiores democracias do planeta. Tudo aqui é discutido e argumentado. Isso tudo dá um trabalho imenso para gerenciar. E o gerenciamento acontece em Berna, a capital da Suíça, escolhida por sua posição bastante central.

Visitando Berna na última vez, saí de bicicleta por lá. Minha primeira experiência em uma bicicleta elétrica, e também pedalando na Capital. A bicicleta permitiu que eu explorasse outros lugares, saísse um pouco do lindo Centro Antigo. Fui atrás da estonteante arquitetura do Centro Paul Klee.

No caminho para o Zentrum Paul Klee, que diga-se de passagem fica só a 2 kms do Parque dos Ursos, me deparei com uma área rural. Sim, milho plantado a menos de 3 kms do parlamento. E lá, uma plantação self-service de flores.

Essas plantações são fantásticas. Cada vez que eu vejo eu babo.

Funcionam assim:

Flores são plantadas em um canteiro, geralmente na beira de uma estrada.

O preço de cada flor é informado através de cartazes.

Ferramentas para cortar as flores são disponibilizadas.

Cada cliente passa, escolhe e colhe o que interessar.

Após a colheira, devolve-se as ferramentas no local onde pegou, para que os outros possam também utiliza-las.

Um cofre fica no local, onde os clientes depositam o dinheiro.

Ninguém fiscaliza nada. Tudo a céu aberto.

Parei, claro, adoro desfrutar da energia que esta sistema transborda.

Observei então uma mãe, com seus dois filhos, que estavam também de bicicleta e pararam por lá. A mãe escolheu uma flor, corto-a sob os olhares das crianças, e com elas ao lado, mostrou como funciona o pagamento. Foram eles que deixaram a moedinha cair no imenso galão que funcionava como cofre.

Sem saber, ou mesmo sabendo, esta mãe deu uma aula de cidadania para estes moleques. Ensinou respeito, ética, honestidade. Mostrou o que é dever, independentemente de supervisão.

Ela saiu de lá feliz, com sua flor e seus filhos provavelmente ainda mais educados.

Este sistema existe na Suíça para um monte de coisas. Já vi para vinhos, legumes, compotas. É o self-service daqui. Nada de novo. Minha surpresa foi exatamente encontra-lo na Capital, não em um vilarejinho como muitos daqui.