Não quer mais? Deixe aqui…


Morges é uma cidade pequena da Suíça Francesa, fica 15 minutos distante de Lausanne. Tem 80 mil habitantes dos quais quase 30% são estrangeiros.

Considerada uma cidade importante, Morges tem uma estação de trem movimentada. Na cidade estão localizadas algumas mutinacionais expressivas. Mesmo assim, tem um pouquinho mais da metade de sua área voltada para produção rural. Bem típico da Suíça.

Eu vou bastante para lá, é como se fosse a cidade grande perto da minha Saint Prex. Dá para ir até a pé, passeando nos cinco quilômetros lindos que passam por plantações, lago, rio e parques. Adoro.

Por ser perto e conveniente, é para lá que eu vou quando tenho que resolver alguma coisa, como rever meu plano de telefone celular, comprar ingredientes da cozinha asiática ou mesmo jantar em algum restaurante diferente.

Esta semana, andando nas ruas de Morges, com meu Roger, notei uma espécie de caixa fixada em uma esquina da zona de pedestres, com alguns livros dentro. Passou uma mulher, fuçou tranquilamente e de mãos vazias retomou sua caminhada. Fiquei intrigada.

Para minha sorte, enquanto eu bisbilhotava a tal caixa, apareceu uma mulher com uma sacola lotada de livros. Primeiro remexeu bem lá dentro e depois depositou os livros que trouxe.

Minha curiosidade foi a mil.

Claro que abordei a tal mulher.

Ela então me explicou como funciona a tal caixa. É um lugar onde os habitantes deixam coisas que não precisam mais mas que podem ser úteis a alguém. Não pode depositar nada perecível e somente coisas em bom estado. Mas que realmente engrenou para troca de livros.

A tal moça, que me autorizou fotografa-la, disse que pega regularmente livros lá e sempre os devolve, depois de lidos. Disse que virou leitora compulsiva depois que a caixa foi instalada. Acrescentou que aparentemente existem outros leitores vorazes no quarteirão, dada a alta rotatividade e diversidade de livros. O máximo não?

Deve rolar até uma fantasia, imagino eu, curiosidade em saber quem são os vizinhos que compartilham dos mesmos hábitos ou o que fulano pensou daquela parte.... mas ai, sou eu, especulando.

Achei a ideia sensacional. Simples, sem custo e democrática. Alguns dirão que não funcionaria aqui ou acolá ou que isso é coisa para Suíço. Mentira. Morges tem 30% de estrangeiros e funciona!

Definitivamente é algo para se copiar!